sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A Ridícula árvore de Natal


Hoje passando pelo centro de Osasco, vi uma linda decoração natalina, dessas de encher os olhos, na praça da prefeitura municipal. Era interessante ver como as crianças que estavam por ali olhavam para aquilo como se fosse a coisa mais espetacular do planeta. Aqueles olhares brilhantes, me levaram a um passado muito distante, onde também era mês de Dezembro.


Morando com três irmãos e minha avó, dois anos após a morte dos meus pais, as condições não eram das melhores. Mesmo assim, minha velha era uma guerreira e nunca faltou nada para comer. Porém, como dizem os titãs, a gente não quer só comida, e acabamos tendo alguns problemas como a falta de roupas, brinquedos e medicamentos, as vezes quando necessário.


Conversei com a velha sobre a possibilidade de uma árvore. Disse que não queria ganhar nada além dela, mas minha velhinha triste, comentou que não teria condições de dar algum presente, quanto mais montar uma árvore de natal. Aquilo me derrubou. 


Mais tarde, cai na real, que aquilo tinha derrubado ela também. Talvez de um jeito pior.


Imagine uma senhora de 54 anos cuidando de quatro netos órfãos com aposentadoria comum por idade. Não precisei de maturidade para entender que ela falava a verdade, mas aquilo não era suficiente na minha cabeça. Chorei escondido. Escondido, porque meninos não choram. Principalmente os orfãos.


 Hoje entendo as jogadas do marketing e da publicidade, e de como é construído um sonho na mente das crianças. Não ter uma árvore de natal para mim, uma criança de nove anos naquela época, era uma coisa insuportável.


Fui então a um terreno baldio perto da minha casa, a ideia era tentar achar alguma coisa que se parecesse com uma árvore decente, para decorar nossa sala cozinha e banheiro (Era uma casa simples de três cômodos). Fiquei horas procurando até que achei uma coisa extraordinária: um pedaço de pinheiro, dos grandes, que bem remodelado poderia resolver o meu problema. 


Peguei o pedaço e levei a casa de uma vizinha japonesa jardineira chamada Massaki. Ela me deu uma lata de óleo, daquelas gigantes que não vendem mais hoje, mas antes, porém, decorou os lados com um papel crepom, e sorriu antes que eu fosse embora. Depois daquele dia nunca mais lutei contra os espinhos assassinos da vizinha japonesa.


Pedi para alguns amigos se poderiam me dar algumas das bolas laminadas que colocavam nas árvores, e de amigo em amigo, consegui trinta e seis de várias cores e tamanhos.


Para fechar com chave de ouro, entrei na casa da senhora Maria Conceição, uma velha chata que furava todas as bolas de meninos que jogavam na rua de cima, incluindo uma minha. Roubei o pisca- pisca da entrada da casa dela. Na minha cabeça, ela me devia pela minha bola, e não fiz nada de errado. Quem não concordar com meu pensamento, tenho a melhor das justificativas. Eu era uma criança. Ponto final.


Juntamos toda a galera e começamos a lavar a tal árvore. Pintamos com o guaxe verde da minha vizinha mais feinha as partes secas, e no final do processo, tínhamos uma legítima Frankenstein das arvores de natal. Meio ridícula para quem tem uma comum, dessas compradas, porém a mais linda das árvores para mim e meus amigos.


Quando cheguei em casa e meus irmãos a viram , seus corações bateram tão forte que por um momento...eu podia ouvir. Minha avó sorriu com aquele famoso olhar (O que será que esse peste aprontou de novo?) mas não me disse nada. Naquele natal ganhamos muitas coisas dos parentes distantes, e parecia que a mágica tinha chegado até mim, era o ano de 2001.


Hoje na minha casa tem uma árvore bem legal, com uma estrela bem grande na ponta, minha filha e meus sobrinhos recebem os presentes do dia 25, embaixo dela. Toda vez que chegamos na época de natal, me vêem essas recordações e sempre me pergunto se muitas crianças do bairro ainda procuram árvores em terrenos baldios.



Já parou para pensar que na sua rua, não só na África ou no Sudão, nem na Palestina, existem pessoas privadas do direito de sonhar? 


Você ajudou alguém do seu bairro esse ano?


Se sim. Obrigado.


Daqui a vinte um anos, alguém vai lembrar de você...eu juro!








Dedico este texto a Ana Cecília Romeu e a meu amigo André Mansim...obrigado por pedir para publicar.

50 comentários:

  1. Aee finalmente uma história engraçada xD

    muito bom cara, eu nunca me iludi com essas coisas de natal, nunca tive uma em casa, mas sempre invejei uma na casa do meu primo que era de verdade, mas não fazia questão, sabia que com o dinheiro que minha mãe compraria isso, ela poderia me dar outras coisas.

    eu só sonhava com uma familia unida em todo natal...

    ResponderExcluir
  2. Victinho,
    ... seguinte...
    você fez um dos textos mais belos que já li aqui na blogosfera.

    estou chorando meu amigo...
    não tenho condições no momento de comentar algo razoável.
    Maravilhoso!

    Volto, tá bom?
    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  3. Uma estória dessas não poderia passar sem ser publicada! Esse é que deve ser o espírito do natal! Essas lembranças ajudam na nossa caminhada e crescimento!

    Valeu Victor Von Domm Serran, filho do monarca da Latvéria!
    Qualquér dia vou fazer um texto de um encontro entre você e o Valfredo, hahahahahahahahhahahahahaha.

    ResponderExcluir
  4. Victor, amei o texto fiquei emocionada, sou muito emotiva, ainda mas este mês, lá em casa não era bem Natal que nós tinhamos, pois na data minha mãe enchia a cara de vinho e meu padrasto monstro quebrava a cara dela e eu criança sem poder fazer nada, só me restava passar a noite de natal em uma delegacia ou hospital, mais tenho uma historia de arvore de natal.
    certo ano, não me lembro bem, tinha uns 5, 6 anos, não tinhamos arvore de natal e nem dinheiro pra comprar um, mais eu e minha irmãs resolvemos ter uma, fomos ao mato que ficava atrás de casa em busca de alguma arvore ou galho para fazer nossa tão sonhada arvore de natal, achamos um galho feio porém com formatos de pinheiro, pegamos o algodão da minha mãe e enfeitamos todo o trnco dela, fizemos circulos, estrelas de papel pintados com lapis de cor e penduramos na arvore com linha de costura, com a ajuda de uma amigua de escola ela me deu um daqueles negocios que compridos que refletem a luz e enrolei por ela toda e pronto, tinhamos nossa arvore de natal, levamos uma bronca por conta do algodão, mais eu e minhas irmãs estavamos tão felizes que não ligamos muito, assim se passou quase 5 anos seguidos, escoliamos uma arvore no mato e enfeitavamos do nosso jeito, até que minha mãe ganhou uma com enfeites e tudo, uma senhora rica do bairro nos deu quando soube como faziamos nossa arvore.
    Espero que tenha gostado da minha historia... Bjs

    ResponderExcluir
  5. Lindo, Victor! Mensagem perfeita de conscientização que muitos deveriam ler.

    Até!

    ResponderExcluir
  6. Que lindo, Victor!!! Fiquei emocionada com seu relato!

    Vc acreditou que poderia fazer algo para que o natal de seus irmãos e avó fosse melhor, diante de tanta dificuldade, e fez!!! Isso faz tooooooda diferença... Impossível não se encantar com sua história!

    Belíssimo post...

    bjks JoicySorciere - Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  7. Seguindo!

    http://futeblog-blogmaster.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pela sua bela atitude, feliz natal pra vc e pra toda sua familia.

    ResponderExcluir
  9. Um dos mais profundos e emocionantes posts que já li. Chamei minha mulher e meu filho para ouvirem enquanto lia. Vc nos leva a reflexão, trazendo sentimentos profundos, com um texto extraordinariamente bem escrito, digno de nossos grandes escritores. Obrigado pela oportunidade de ler suas crônicas.

    www.heitor-falcao.com

    ResponderExcluir
  10. Também me emocionei com sua história, dia desses cheguei a comentar em um post da nossa amiga, a Joicy, sobre alguns natais que marcaram. Contei lá que nunca cheguei a acreditar de fato no Papai Noel, minha mãe não alimentou em mim este tipo de ilusão, no entanto foi ela quem representou, e representa, o real "espírito de natal" que transcende uma mera questão de data, ela representou a total entrega e a luta apesar das adversidades... Ela ao lado de meu avô foram toda a magia de natal que eu realmente vivi...

    Parabéns pelo lindo post amigo!

    ResponderExcluir
  11. Emocionante Victor o texto, e é uma realidade em muitos lares, o contraste entre o desejo pueril e a real e triste situação econômica, também já passei por isso, hoje, até posso comprar uma àrvore de natal, mas quando criança só na imaginação. Concordo que esse marketing todo em cima dessa festa é desumano, cruel e nefasto, pois insere nas mentes uma vontade vazia, desnecessária, que faz com que as pessoas pensem em coisas banais, e desumanizam os corações. Lindo texto amigão, realmente lindo e profundo, parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Oi menino
    Suas estórias sempre me comovem.
    Feliz Natal
    Bjux

    ResponderExcluir
  13. Adorei a sua história.Você era um garoto criativo e que teve iniciativa e amigos para ajudá-lo a tornar o natal de sua família agradável e aposto que inesquecível para seus irmãos .Muito interessante o texto.Você é um ótimo escritor.Feliz Natal para você!

    ResponderExcluir
  14. Essa deve ser uma das mais belas histórias natalinas que já vi/ouvi/li nos últimos 1500 anos!

    ResponderExcluir
  15. Victinho,
    voltando...
    Li de novo com toda a atenção,
    realmente...
    é um dos melhores textos que já li na blogosfera, (nos meus 1 ano e pouco de blogosfera).
    Além de ser muito bem-escrito, no que tange a coerência narrativa, fluência, coesão, etc..., ele é muito verdadeiro, e quando a gente consegue abrir a alma e colocá-la num texto bem-escrito, não dá outra, fica bom, no caso, está maravilhoso!

    Creio que você achou teu mote, esse tipo de texto, onde você relata suas vivências, de forma muito humana e verdadeira, onde tem um excelente conteúdo reflexivo, acrescenta, e muito, a quem lê e a ti mesmo, pois te forma como escritor, e como um dos melhores deste mundo virtual. Isso vai te dar fluência e um excelente treino. Se eu pudesse te aconselhar, diria que é por aí..., mais do que os textos de ficção, a tua praia é a crônica mesmo!

    Esse elogio é muito realista, querido amigo, te serve como incentivo,mas sempre com os pés no chão; mas a certeza que está no caminho!

    Grande beijo!

    PS: No meu post de Natal vou fazer um link para cá, como sugestão de leitura, pelo menos para o pessoal dar uma olhadinha!

    ResponderExcluir
  16. Você escreve muito bem, parabéns, adorei sua história.

    É claro que é complicado toda essa ideia de ser órfão, confesso que nunca tive tal sensação, e nunca terei como vc, pois já estou na altura de meus 18 anos e tenho pais. Uma família bem conturbada é verdade, mas nunca deixou de ser família.
    Acho que no fim, o Natal serve exclusivamente para isso, para as pessoas pensarem em como ajudar as outras, em nunca desistir de seus sonhos.
    Afinal, se queremos conseguimos, e se não conseguiu, é porque não correu atrás.

    Belo texto, adorei...

    Grande abraço

    Visite meu blog



    http://reinaldodeltrejo.blogspot.com/

    Estou lhe seguindo...

    Abbraço

    ResponderExcluir
  17. Belíssimo e tocante post , a impressão que deu é que essa árvore trouxe uma certa magia e até mais presentes ganharam .
    http://andyantunes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Que história bonita, essa. Tenho muita vontade de entrar pra uma dessas campanhas em que a gente "adota" uma criança e a presenteia, sabe? Não sei se ainda dá tempo, mas vou ver se consigo. Espero poder fazer a diferença por alguém.

    :*

    http://hey-london.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Querido Víctor, estou em lágrimas... Creio que sua árvore foi a mais linda de todas! Também já montei árvores recicladas na minha infância, nunca abri mão de te-las, até hoje monto, coloco o chinelo em baixo e tudo o mais. Amo esta magia do natal e mais ainda o significado da data. Olha amigo, boa pergunta, ajudei alguém? Fora alguma comida que a gente sempre dá para algum pedinte, acho que nada de mais...Obrigada, preciso rever meus conceitos...Beijossss

    ResponderExcluir
  20. No Rio de Janeiro, todo final de ano, é montada a famosa árvore da Lagoa. Sempre cheia de curiosos, recebe muitos cliques por dia. Não gosto muito. Certa vez em casa, fizemos uma árvore desenhada na parede e os enfeites eram fotos da família. Foi a mais bonita que já tive.

    ResponderExcluir
  21. é, muitas vezes algo que passa despercebido ao nossa olhar, por ser algo básico e que temos todo ano, faz uma falta tremenda para outra pessoa. Como tu cita no texto, muitas vezes é até o sonho de outrem.

    Deveríamos pensar assim todos os dias do ano, porém antes um dia do que nenhum :D

    Abss!

    ----
    “The Tramp Mind”
    Site Oficial: JimCarbonera.com
    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Victinho,
    parceria para o ano que vem?

    SIIIIMMMMMMMMMM!!!

    rsrs
    Publicitários unidos vencerão!
    Só vamos esperar o ano começar (depois de março...)!!!! :)
    Mas aceito!
    Beijinhos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  23. Cara, muuuito bom!! Fiquei imaginando todas as cenas e personagens aqui, foi emocionante!!

    Aqui em casa há alguns anos desde o falecimento de um tio, minha mãe havia perdido toda a vontade de decoração de natal, aliás, não só ela, mas outros familiares também.

    Mas esse ano foi diferente, eu que nunca gosto de natal e ano novo por sentir um aperto no peito e uma angústia terrível nessas datas, comprei uma árvore e a decorei na tentativa de sentir melhor essa magia de natal!!

    E também doei uns brinquedinhos, espero que façam a diferença por aí...

    Abraço e obrigada pelas visitas em meu blog, Victor!!!

    ResponderExcluir
  24. Não celebro o Natal, mas elogio ótimos blogs como esse seu. NATAL PARA MIM É UMA DATA TRISTE.


    MOCHILEIRO-DAS-GALAXIAS.

    MOCHILEIRO-DAS-GALAXIAS.
    http://www.mochileiro-das-galaxias.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. Victor é um texto que emociona e nos ensina também, pois tem verdades da vida contidas nele. Para essa data, trata-se de uma profunda reflexão. Parabéns. Aproveito e te desejo de todo coração um feliz Natal e próspero ano novo.

    ResponderExcluir
  26. O que perdemos quando crescemos que nunca mais sentimos mais isso? Nunca mais tive frio na barriga ao ouvir as músicas de natal e as vitrines iluminadas durante a noite. O que muda dentro de nós que faz apagar nossos pisca-pisca?

    Excelente texto Vitão!

    ResponderExcluir
  27. Victor, se tem algo que pode sintetizar o chamado "espírito de Natal", ele pode ser encontrado neste teu (belo) relato.

    O consumismo toma conta deste período, mas são coisas simples, como procurar um pedaço de um pinheiro e montar uma árvore de Natal para a família. Recentemente, no começo deste mês, fomos a um lar de idosos para fazer algumas doações que os velhinhos estavam precisando. Você tinha que ver a alegria dos senhores e senhoras que estavam ali. As doações estavam em caixas embrulhadas com enfeites natalinos, mas eles queriam mesmo era conversar com os "papais noéis" que foram lá. Só uns minutinhos de atenção para idosos dos quais muitos são abandonados pelos filhos no asilo. Alguns minutinhos que podem fazer a diferença entre um "ah, é tempo de Natal" e "Feliz Natal!"

    Um belo texto o seu! Obrigado por partilhar conosco.

    Abraço

    ResponderExcluir
  28. Pois é... Natal é festa, presente, família.. Mas pra muita gente é fome, necessidade, vontade de ter um enfeite em casa, msm q simples...
    Refleti muito lendo o texto.... O ser humano é tao egoista, so preocupa c ele. Devemos ser mais solidarios, mais humanos.. Obg por me fazer lembrar de pensar mais no próximo...

    To seguindo, falta um!! rsrs, ô/
    Fica c Deus! (:

    ResponderExcluir
  29. Victor...Que Texto é este cara, eu chorei e ri ao mesmo tempo (não estou mentindo nem exagerando), e olha que no escritório heim..rsrsr...Linda história, linda lição, çinda atitude...BjO
    Voltarei smpre aq...

    ResponderExcluir
  30. mas eu adoreeeeeeeeeeiiiiii....
    Vc relatou uma história que acontece com muitas crianças, pois Natal é uma época de sonhar!
    Graças a Deus eu não tive esse problema, na minha casa sempre teve árvores e presentes. Mas sempre desejei que todos tivessem essas possibilidades. Sonhar faz bem!! ;D
    Passa lá, tem postagem nova!
    BeijO e feliz natal!
    evesimplesassim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. Nossa, lindo texto!!!

    Me emocionou!!!

    Respondi teu comentário no meu blog... e curti muito esse... seguindo!

    sentimentos-insanos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  32. lindo isso,pois é como vc disse não na africa mais aqui mesmo na nossa rua pode ter alguem sem o direiro de sonhar,não so no natal mais em todos os dias e ajudar mesmo com uma pequena coisa é gratificante comcerteza essa pessoa não esquecera.
    no mais gostei muito nota 10.

    ResponderExcluir
  33. Victinho,
    rápido para um convite, se quiser dar uma olhadinha no site do Paulo Cheng, tem uma entrevista com minha mana Bel, neste link:

    http://www.paulocheng.com/2011/12/entrevista-com-jornalista-gaucha-isabel.html

    Beijoss

    ResponderExcluir
  34. Parabéns pelo blog.
    Excelente história, infelizmente é saber que, ano após ano, isso se repete em milhares de lares.

    ResponderExcluir
  35. Hoje eu saí com minha mãe para comprarmos as coisinhas finais para o Natal... lembrancinhas para completar o presente de minha sobrinha... um perfuminho para cada uma... Bom, entramos numa loja e minha mãe se encantou por uma sapatilha de verão dessas bem baratinha. Sem pensar eu fiz ela experimentar e comprei pra ela.
    Ela ficou tão feliz com aquilo, mas tão feliz, que parecia que eu tinha entrado na H.Stern e comprado uma jóia caríssima... ali, mais uma vez eu entendi, este é o verdadeiro espírito de Natal: que cada pessoa tenha exatamente aquilo que ela quer. Não importando o preço, o consumismo, nada disso... o importante é o olho brilhando e a mágica que se concretiza com isso!

    Muito obrigada por partilhares esta passagem tão sensível de tua vida com a gente!!!!!

    Quero agradecer também pelo comentário que fizeste na entrevista que o Paulo fez comigo! Poxa, fiquei bem feliz, mesmo!!!!!

    Um Natal muito feliz e iluminado para ti e tua família!

    ResponderExcluir
  36. Que história linda!
    Estou seguindo o seu blog :)
    http://leituradaestante.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  37. Oi Victor..gente...me sensibilizei com essa sua história...SUA história mesmo. Acho que foi um Natal mais do que especial..uma lembrança que não apenas vc, mas todos sempre irão carregar...vcv já contou essa história para sua avó, agora que é um homem adulto? E pedir a opinião dela?
    bjs

    ResponderExcluir
  38. Victinho,
    voltei aqui especialmente para te desejar, a ti, teus familiares e noiva (bonitona! rsrs), um Feliz Natal! Tudo de melhor para vocês! Com todos clichês: paz, amor, saúde - mas que tanto precisamos nesta vida!

    Você sabe que gosto de ti montão!
    Colega, um grande abraço!
    Nos vemos :)

    ResponderExcluir
  39. INTERESSANTE E TOCANTE AO MESMO TEMPO VICTOR. REALMENTE A MINHA VIDA TB NÃO FOI, E NÃO É DAS MELHORES, MAS COMPARADO AO PASSADO, ESTAMOS PASSANDO MUITO BEM. E SIM,JÁ FIZ MUITAS BOAS AÇÕES ESSE ANO.

    UM FELIZ NATAL REPLETO DE ALEGRIAS E UM ANO NOVO CHEIO DE PAZ E REALIZAÇÕES.
    ABRAÇOS CAVALEIRO, E NÃO BAIXE A GUARDA:O DUELO ESTÁ PRÓXIMO.

    ResponderExcluir
  40. Obrigada pelo carinho Victor e desejo a vc um Feliz Natal, ambos somos vencedores e que bom poder conhecer uma pessoa como eu, que venceu por vontade propria e que hoje tem uma vida muito melhor!! Um beijo cheio de LUZ!! ♥

    ResponderExcluir
  41. Oi Victor, enfim é Natal, um momento único, mágico, fraterno, onde refletimos sobre nossas vidas e procuramos ser pessoas mais amáveis e solidárias.

    Que Deus te abençoe e que nesse Natal o aniversariante, Jesus Cristo, possa encontrar guarida em teu coração.

    Abração pra ti e família.

    ResponderExcluir
  42. Sinceramente, este é o texto mais bonito que já li na blogosfera... É um relato sincero, de coração mesmo. Isso é para provar que não são presentes caros que fazem um Natal. O que faz o Natal é o amor, a solidariedade... Demonstrada por todas as pessoas que lhe ajudaram. Demonstrada pela tua avó, que criou a vc e seus irmãos, apesar das grandes dificuldades que enfrentou.

    Esse texto prova também que por mais que haja pedras atravancando nossos caminhos, é necessário retirá-las cuidadosamente e prosseguir. Foi o que vc fez.

    Abraços e ótimo fim de ano para vc e sua família!

    ResponderExcluir
  43. Carinhaaa...que massa... sinceramente estou sem palavras... me lembrou de quando eu tinha exatamente nove anos e meu pai naum podia comprar uma árvore... fizemos uma com garrafas pet e um cabo de vassoura, cheio de bonekinhos pendurados... a melhor árvore da minha vidaa!!!
    parabéns carinha, lindo texto!

    ResponderExcluir
  44. Olá, Victor.
    Parabéns por seu texto realmente tocante, sincero e singelo.
    Muitas vezes esquecemos que uma pequena boa ação realizada por alguém pode significar muito para quem pouco ou quase nada possui, e que o verdadeiro espírito do Natal não é consumir, mas compartilhar.
    E me parece que o/a(s) velhinho/a (s) que furam as bolas de futebol das crianças existem em todos os lugares do mundo, que coisa.
    Abraço e um ótimo Natal pra ti, meu caro.

    ResponderExcluir
  45. OLá Victor, boa noite!!

    Que texto emocionante, meu querido amigo, e fiquei presa a ele com o coração apertadinho, porque percebo, que não fui a única a ter uma lembrança menos feliz de um Natal...

    Você bem que poderia continuar escrevendo, Victor, porque o faz muito, muito bem. Não tem palavras de mais, nem de menos, mas no ponto certo, pra prender e emocionar.

    E, da mesma forma que a tal linda árvore que você viu em Osasco, te trouxe à lembrança um passado de infância, o teu texto, trouxe pra mim recordações da minha infância sofrida, quando iniciei verdadeira ojeriza pelo velho Papai Noel, porque na véspera do Natal ele visitava todas a casas da minha rua, vizinhos da direita, da esquerda, deixava presentes e desaparecia, menos a nossa pobre casa. Lembro que minha mãezinha não deixava eu e minha irmã sair à rua na manhã de Natal, pra não ficarmos tristes ao ver outras crianças com presentes deixados pelo Noel...Sabíamos que as bonecas de retalho que minha mãe fazia pra gente, eram sobras das costuras que ela fazia pra sua escassa clientela...Até que certo Natal ela nos revelou a verdade: Papai Noel não existia! Foi o Natal mais feliz das nossas vidas...Não tínhamos a fantasia, tínhamos a verdade e bonecas de pano...

    Feliz Tudo pra você, querido parceiro!!

    BJos da Lu.,.,.

    ResponderExcluir
  46. Victor, conheci seu blog através do facebook da Cissa,
    confesso que me emocionei ao ler sua crônica, pois a minha infância foi parecida com a sua (autor(, porém você teve a felicidade de encontrar um pinheiro e ajuda dos vizinhos e amigos, jé eu, não!
    Até hoje é complicado essa data natalina para mim, pois como diz em seu texto, há pessoas que mal têm o que comer, medicação ou roupas, em meu caso passo na corda bamba, meus filhos entendem, mas ainda dói não poder oferecer muito.
    Fiquei emocionada!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  47. Oi Victor
    Eu já estou de férias, e não deveria estar comentando em nenhum blog, mas seu comentário no meu blog me emocionou, acho que vc tem esse dom de emocionar kkkkkkkk. Me lembro sim, que vc foi um dos responsáveis de tudo isso que tá acontecendo de bom comigo na blogosfera, acordei pensando nisso, pensando que quando fizer um ano de blog em março, não poderia deixar vc de fora nas homenagens. Acredita? Daí, eu abro o blog, e vejo um comentário tão sincero e maravilhoso como o seu, eu quase chorei. Vim aqui para te agradecer e vejo um post megamaravilhoso, daí eu chorei kkkkkkkk. Eu particularmente, tenho o costume de "adotar" uma criança pobre no Natal, tenho uma amiga que o marido dela se veste de papai noel na véspera, ela faz uma ceia para as famílias, tem mais de cem crianças cadastradas, todo ano eu ajudo e arrumo amigos meus que trabalham comigo para ajudarem também. Sei que nem é uma gota no oceano, pois a Madre Tereza de Calcutá dizia que o que ela fazia era uma gota no Oceano, mas eu sei que deixarei uma criança feliz, ela receberá uma roupa nova e um brinquedo, já que a sociedade impõe esse ritmo consumista, e eu, como já disse no blog do Mansin, infelizmente, me declaro culpada, também vou no embalo, talvez, pq fui muito pobre também, então compro coisas bem legais para meus filhos, como um tablet para meu filho de doze, mas ele mereceu! Quanta alegria ele me deu esse ano! Enfim, foi um prazer imensurável ter te conhecido chefinho esse ano e o ano que vem #tamo junto, se Deus quiser.
    Bjão. Um 2013 abençoado para ti e tua família.
    E.T. O convite tá de pé.

    ResponderExcluir
  48. Obrigado a todos pelos comentários. Eles me fizeram muito feliz.

    Victor

    ResponderExcluir

Faça um comentario inteligente e pertinente, lembre-se que seu nome, e o nome do seu blog, vem logo depois !