quinta-feira, 28 de março de 2013

Arco-íris




Mais um dia nascia na metrópole. Naquela primeira hora matinal, as maquinas eram ativadas e supridas de combustível medido para suas tarefas cotidianas. Isso até seu próximo ponto de recarga, estipulado conforme suas operações.

Cada robô tinha seu próprio nome, número e função. Alguns eram mais sofisticados, outros simples. Todos trabalhavam conectados em prol de um único fim: manter o sistema vigente.

Eram a maior população do planeta.

Obedecendo as rotas estabelecidas via gps, muitos se acumulavam nos transportes coletivos. Para eles, tudo consistia em manter o padrão operacional: ativar, alimentar, funcionar, memorizar novas tarefas e retornar para recarga. Com o passar dos anos, novos protótipos são gerados e programadas por máquinas de sua geração anterior. Cecília era um modelo comum dos novos robôs. Como os outros, após terminar sua primeira recarga, se dirigiu ao orgão responsável por sua programação. 

Naquela manhã, detectou um fenômeno no céu, logo após uma chuva torrencial. Uma faixa de raios, com oito cores, que passava de um determinado ponto a outro. Como não absorveu aquele acontecimento como fato comum as suas percepções diárias, fez uma busca interna por informações para compreender a interação daquele acontecimento com o ambiente.

Ao registrar a imagem e levantar seu significado, chegou a seguinte definição: 

Arco-Iris: Fenômeno de refração da luz solar que possuí origens físicas e meteorológias, cujo formato se assemelha ao de um arco que emana luz. A refração da luz solar sobre as gotas de chuva ou nuvens, que estão dispersas na atmosfera, revelam as sete cores do especto solar.

Logo após a definição, notou que alguns circuítos de sua placa mãe sofreram algum tipo de alteração durante a pesquisa, causando uma pane. Dentro das leituras, uma pasta com imagens do mar, de crianças, famílias cantando, entre muitas outras, confunde ainda mais sua memória interna. Tremores e aumento de temperatura, ativam seu sistema emergencial de resfriamento. Agora inativa, não consegue manter um funcionamento adequado.

Diagnóstico: Emoção. Problema recorrente dos novos protótipos, cujo nível de inteligência e memória era superior as máquinas da geração anterior. Base do funcionamento orgânico dos primeiros projetos, que hoje eram consideradas obsoletos, pois atrapalhavam o sistema em suas operações. 

 Outros modelos, transitando pelo local,  percebem o mal funcionamento de Cecília e prestam manutenção, porém é inútil. Cecília não processa mais informação. Começa então a emitir ruídos. Ocorre um vazamento do líquido lubrificante ocular por sua interface. Já em colapso, a máquina tenta ainda um último recurso: Desativar plenamente o funcionamento geral dos circuitos, ocasionando sua queda entre os transeuntes.

Reiniciada as configurações e reativada, Cecília se levanta, agora já estabelecida e reprogramada. Segue indiferente para sua função diária, voltando então aos procedimentos comuns de operação:

Ativar, realimentar, funcionar, memorizar e retornar para recarga.

Mesmo com muitas panes relatadas, milhares desses robôs ainda conseguiam manter seu objetivo:

O funcionamento adequado do sistema vigente.

Isso, todos os dias de sua miserável existência.

Eram a maior população do planeta.





20 comentários:

  1. Victor, estou encantada com seu texto. O modo como usou os robôs para falar de pessoas foi muito interessante, você não precisou dizer muita coisa para trazer uma série de reflexões, apenas essa imagem que você construiu foi o bastante. E sinceramente, acho que nunca estivemos tão conectados a essa existência mecânica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Cara, somos esses robôs ai descritos coabitando em nossas metrópoles frias e insensíveis. Uma ótima crônica sobre o nosso dia dia, e acho que todos conseguem se enxergar nesse texto, pois vivemos nessa roda viva, como dizia o Chico Buarque, parabéns pelo texto Victor, muito bem escrito.

    Abração pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Vivemos assim, como robôs, quando não paramos para reparar nos pequenos detalhes da vida, na simplicidade encantadora de um arco-íris ou de uma flor. Precisamos ser menos robôs e mais sensíveis!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário Deise. Volte Sempre.

      Excluir
  4. Fantástico! Aliar o conto à crítica. Nossa, deu um tom tão único ao seu texto. A maquinaria da vida tem sido assim, desde que o sistema capitalista entrou em vigência. Em meio a algumas panes, buscamos perceber a realidade, mas por medo, ainda assim, voltamos à antiga prática de sempre, como se nada tivesse acontecido.
    Adorei! Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro suas visitas, e seus comentários bacanas. Sempre esperando suas visitas.

      Excluir
  5. Puxa Von! Parabens meu amigo! Belissimo texto, cheio de mensagens nas entrelinhas... Muito bom Mesmo!

    Sou seu fã!

    ResponderExcluir
  6. Oi chefinho
    Engraçado como ontem fui a Sampa com o Dani para a aula de música dele, e parece que as pessoas vão se apertando no metrô e não tem sentimento mesmo kkkkkk, é diferente da minhas cidade pequena, elas nem te olham no rosto. Muito bom o texto chefinho.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  7. Puxa, que saudade de te ler, Victor! Acho que passei por um bom tempo sem essa pane, na corrreria do dia-a-dia, mas aos poucos vou retornando, principalmente dedicando algum tempo às minhas leituras. Parabéns, um texto interessante e inteligente, como sempre.

    Bjus e até mais.

    http://palavrasdevalquiria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Victinho, meu mano amigo!
    Finalmente consigo vir e ler com calma, o que só acontece atualmente quando consigo postar.

    Muito bom teu texto e o mot dele. Logo me remeteu a um clima meu Blade Runner, lembra desse clássico?
    Por vezes, fazemos as coisas de forma tão automática que parecemos máquinas. Em tempos que num 'clic' se acaba com relacionamentos, dizemos coisas profundas como "eu te amo" ou "eu te odeio" com meia dúzia de teclas digitadas, e no imediatismo de uma fotografia de celular..., fico pensando se não somos mesmo um pouquinho que seja, robôs...
    bip! bip!

    Parabéns pelo texto! Bip! Bip!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Ah! Adorei o nome Cecília! E quem sabe não está vindo uma Cecília a mais nesse mundo, heim?
    Parabéns futuro papai!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  10. Que triste... será que só eu achei triste, que maneira horrível de existir... Acho que não demora muito e o mundo estará exatamente assim.
    bjs
    www.artesdosanjos.com.br

    ResponderExcluir
  11. Excellent pieces. Keep posting such kind of info on your page.
    Im really impressed by your blog.
    Hi there, You have performed an excellent job. I will definitely
    digg it and for my part recommend to my friends.
    I'm confident they will be benefited from this website.


    Look into my web-site: sprzątanie sprzęt

    ResponderExcluir

Faça um comentario inteligente e pertinente, lembre-se que seu nome, e o nome do seu blog, vem logo depois !